31 dezembro 2009

Você É Um E-Mala? (Denise Dalla Colletta)

Você é um e-mala?

qua, 30/12/09

por Denise Dalla Colletta |

categoria Sem Categoria

| tags email, internet


Estamos mais conectados do que nunca. A vida real se mistura com a virtual de tal forma que é quase impossível separá-las. O ambiente de extrema liberdade da internet também pode abrir espaço para que chatos da vida real perturbem muito. Você com certeza já ouviu reclamações sobre um colega de trabalho que envia correntes religiosas por e-mail ou simplesmente ignora os recadinhos cheios de coraçõeszinhos que aquela amiga da sua mãe insiste em enviar para seu orkut. Tudo bem, todos têm suas chatices, mas como saber se você não está passando dos limites e virando assunto dos outros também?


Listamos aqui alguns tipos clássicos de chatos virtuais. Se você se reconhecer em alguma dessas características, é hora de rever sua vida virtual. Se você notar que pratica mais de uma delas, é hora de passar menos tempo online.



O incansável

Twitter e Facebook são legais, mas não é só porque eles perguntam “o que você está fazendo/pensando” que é preciso responder a toda hora. A não ser que você seja o Ashton Kutcher, as pessoas não ligam se você está comendo ou se acabou de sair do banheiro. Detalhe: nem o próprio ator, um dos mais seguidos do Twitter, faz isso.


O brega virtual

Só quem colecionava papel de carta acha mensagens com corações, rosas e ursinhos legais. O resto do mundo não liga para isso. Você já se perguntou por que ninguém responde seu scrap cheio de frufrus?


O incansável II

Correntes são chatas, correntes via e-mail são piores ainda. Antes de enviar aquela oração de Nossa Senhora da Vidraça a todos os seus colegas, lembre-se que ateus, não praticantes e pessoas de outras religiões não precisam receber essas coisas. Melhor ainda, só encaminhe essas correntes a pessoas que já lhe enviaram coisas do tipo – quem sabe assim elas consigam perceber o quanto isso é chato.


Fazendeiros malas

É simples, quem não joga o Fazendinha no Facebook não quer saber quantas vacas você ganhou no game. Portanto, não envie esses comunicados. O mesmo se aplica a todos os aplicativos de todas redes sociais.


O sem-noção

Quem não gosta de bizarrices que atire a primeira pedra. Mas cuidado para não sair enviando e-mails cheios delas a qualquer um. Há mil razões para não fazer isso: algumas pessoas se chocam ao ver enterro de anões gêmeos ou pessoas decapitadas em acidente de trem; outros abrem seus e-mails em local de trabalho e não seria nada legal ser pego pelo chefe vendo a mulher mais gorda do mundo em poses sensuais. Então, se for encaminhar algo desse tipo, selecione bem as pessoas que vão receber e avise logo no assunto da mensagem se for algo comprometedor.


O pervertido

Ninguém está dizendo que você não deve passar pornografia a seus amigos. Mas vale o mesmo aviso do tópico anterior: como nem todos gostam disso, encaminhe esse tipo de e-mail só aos amigos mais íntimos. Avise logo no assunto do que se trata e certifique-se que nenhuma criança vai receber isso.


O incansável III

Não contente em encaminhar aquele PowerPoint com fotos das paisagens mais lindas do planeta com trilha sonora a todos os seus colegas, você ainda pergunta o que eles acharam quando os encontra pessoalmente.


O exibicionista

Aquelas suas 55 fotos enterrado na areia praia com os amigos bêbados não precisam ser vistas por todos. O mesmo vale para aquela fotografia do seu cachorrinho fofo usando óculos de sol. Selecione quem pode ver as fotos. Assim você não cansa seus conhecidos e nem se “queima” demais nas redes sociais.


Além de todas essas categorias, existem aqueles chatos dentro e fora da internet. Pessoas que não largam do smartphone para ficar postando e checando e-mails de cinco em cinco minutos. É hora de aproveitar mais a vida fora da rede.

E aí, em quantas categorias você se encaixa? Acha que faltou algum tipo de chato virtual?


http://colunas.galileu.globo.com/blogdagalileu/2009/12/30/voce-e-um-e-mala/

25 dezembro 2009

Pontaria Eficiente

Feliz Natal

Este blog deseja a você, internauta, e a todos os seus entes queridos,um Feliz Natal.Caso não seja sua tradição comemorar essa data,nós respeitamos sua Fé e deixamos aqui os nossos sinceros votos de Paz. Obrigada pela visita e volte sempre. Lícia















16 dezembro 2009

Locutor Profissional Impecável

Oi

Sério mesmo: eu trabalho em Rádio há muitos anos,e poucas vezes encontrei um profissional tão impecável quanto esse locutor português,elegantíssimo.Admirável exemplo (também de auto-controle)a ser seguido,porque com uma ouvinte assim...Confira e divirta-se. Lícia






Imbecil do Dia/Noite/Madrugada

Poker Face (Noteworthy)

10 dezembro 2009

O Apressado Come Cru Ou Passa Fome

GO: homem vai até delegacia reclamar de prostituta "trocada"

10 de dezembro de 2009 • 21h48 • atualizado às 21h52

Márcio Leijoto

Direto de Goiânia





Um homem procurou a Delegacia do Consumidor (Decon) na manhã desta quinta-feira em Goiânia (GO) para denunciar que pagou R$ 200 por uma garota de programa que viu na internet e foi atendido por outra. O denunciante é um turista que mora em São Paulo e estava na capital goiana a trabalho, hospedado em um hotel cinco estrelas. O delegado que atendeu o caso disse que a polícia não podia fazer nada a respeito.

De acordo com a polícia, o homem entrou em um site de acompanhantes, escolheu uma garota, ligou para o agenciador, combinou horário e local e pagou R$ 200 no cartão de crédito. Mais tarde, quando a garota de programa chegou, ele percebeu que não era a mesma da foto. Reclamou, tentou reaver o dinheiro, mas sem sucesso. O agenciador desligou o celular que constava no site. Foi então que decidiu na manhã de hoje procurar a Decon.

"Ele pagou por uma garota linda que viu na internet e o que chegou na recepção foi uma assombração. Ela ficou com tanta vergonha da reação dele que saiu correndo, nem falou nada", disse o delegado José Carlos Bezerra, adjunto da Decon.

O turista queria fazer um boletim de ocorrência para, depois, fazer o estorno do pagamento com a operadora do cartão de crédito. Entretanto, foi informado que a polícia estava incapacitada de agir neste caso. "É o segundo caso só neste mês. A mesma história. A pessoa paga por um produto antes de ver. Tem de ver primeiro. Como é um contrato de prestação de serviço, não cabe fazer um boletim de ocorrência", disse o delegado.

Após conversar com o delegado, o turista desistiu de insistir na ocorrência, pois não quis se identificar e, segundo Bezerra, ficou com medo de sofrer alguma represália por parte da empresa em que trabalha. "Ele é de uma empresa muito grande e ficou com medo que a história, vazando, o prejudicasse depois."



http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4151345-EI5030,00-GO+homem+vai+ate+delegacia+reclamar+de+prostituta+trocada.html